Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Ou Miranda divulga o suposto áudio ou a CPI poderá perder força

Pedido de abertura de inquérito no STF para investigar prevaricação de Bolsonaro no caso Covaxin certamente terá impacto nos trabalhos da comissão no Senado
Ou Miranda divulga o suposto áudio ou a CPI poderá perder força
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A pressão sobre o deputado Luis Miranda (DEM) aumentou nas últimas horas nos bastidores de Brasília.

Em entrevista a O Antagonista, no último sábado, ao lado do irmão Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, o deputado que denunciou o esquema da Covaxin sugeriu que há uma gravação da conversa que ele teve com Jair Bolsonaro sobre o assunto e na qual o presidente teria citado o nome de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara.

Integrantes da CPI da Covid avaliam que “chegou a hora” de Miranda tornar o áudio público (se o áudio, de fato, existir, claro).

Como noticiamos há pouco, a Procuradoria-Geral da República pediu nesta sexta-feira (2) a abertura de inquérito no STF para investigar Bolsonaro por prevaricação. O pedido é assinado pelo vice-PGR, Humberto Jacques de Medeiros, e não por Augusto Aras.

Para alguns integrantes da CPI, esse pedido seria parte de uma “estratégia do Planalto” para esfriar o assunto e tentar enterrar a comissão parlamentar de inquérito no Senado.

Senadores mais experientes acreditam que, a partir de agora, os governistas vão alegar que o caso já está nas “instâncias competentes” e pedirão o encerramento da CPI ou, no mínimo, atuarão para tirar Bolsonaro do foco.

“Agora temos que achar o roubo [já que o pedido de investigação por prevaricação já estará no STF]. O trabalho pode realmente ser enfraquecido. A não ser que Miranda solte o tal áudio”, chegou a dizer um senador, pedindo reserva.

Senadores que já participaram de outras CPIs no Congresso observam alguns “açodamentos” da comissão nas últimas semanas, incluindo a provocação à PGR pela provável prevaricação de Bolsonaro. Titulares da CPI, até mesmo do chamado G7 — o grupo de senadores de oposição e independentes –, começaram a ter alguns estranhamentos nos bastidores, o que poderá igualmente se refletir nos trabalhos.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO