PALOCCI E O PCC

O Antagonista apurou que uma das partes mais sensíveis da colaboração premiada de Antonio Palocci trata de seu envolvimento com integrantes de uma rede de lavagem de dinheiro usada pelo PCC.

O esquema envolveu o uso de propina na compra de vários imóveis, como um luxuoso apartamento em Moema, registrado em nome de uma empresa de Gesmo Siqueira Santos.

Seu irmão Gildasio Siqueira Santos, já falecido, foi denunciado pelo MP por integrar esquema de lavagem de dinheiro do PCC por meio de postos de combustíveis.

'Ou o estado brasileiro enfrenta o crime organizado ou vira um estado criminoso.' Entenda clicando AQUI

Gildásio foi sócio (e inquilino) de Leonardo Meirelles, também sócio do doleiro Alberto Youssef.

Para quem não se lembra, Meirelles foi preso na primeira fase da Lava Jato por causa do esquema do Labogen, que também levou à prisão o ex-deputado petista André Vargas.

Essa parte explosiva da delação de Palocci está em Brasília.

Comentários

  • Francisco -

    Todos os males da nossa pseudo-democracia cleptocrática provêm da inaceitável centralização do poder em Brasília. Um país só pode funcionar assim através de uma ditadura ou de uma corrupçã

  • Aragao -

    e o assunto dos 100 milhoes do psdb (não sou petista mas um tanto do dinheiro saiu do meu bolso)

  • Jose -

    O que mais impressiona na reforma da Previdência, é todos saberem que precisa acontecer, mas cada um busca seus interesses: o povo que se lixe! O patriotismo dos políticos populares? o próprio imb

Ler 134 comentários