Palocci: “A Odebrecht fez um caixa (com contratos da Petrobras) e comprou esse prédio dado a Lula”

Cristiano Zanin perguntou a Antonio Palocci sobre a relação entre oito contratos da Odebrecht com a Petrobras e a compra de uma sede para o Instituto Lula.

Palocci deu uma aula:

“A empresa trabalha com a Petrobras; a Petrobras dá vantagens para essa empresa; com essas vantagens, cria uma conta para destinar aos políticos que a apoiaram; o presidente mantém lá diretores que apoiam a empresa, para dar a ela contratos; esses contratos geram dinheiro; com esse dinheiro, eles pagam propina aos políticos. A Odebrecht fez um caixa (com os contratos da Petrobras) e desse caixa foi sacado um dinheiro que comprou esse prédio que foi dado ao presidente Lula.”

 

21 comentários

  1. Março, 2017.
    Confira comigo, no replay.

    Aquele líbero de estilo italiano, ex-titular da zaga da equipe vermelha, no passado recente foi um jogador super requisitado. Como quem não queria nada, ficava posicionado atrás dos dois zagueiros como último defensor quando o seu time estava sem a bola. No momento que roubava a posse do adversário, tinha fôlego para arrancar pela esquerda, livre de processos, ditando o ritmo da armação das jogadas e distribuição de repasses. Sem a bola, era um jogador violento e desleal, muito conhecido por não aliviar para os adversários.

    Se a bola está em jogo e ocorre uma agressão ou tentativa de agressão, é infração. Dentro da área, a regra é clara. É pênalti. Em sua última partida, o italiano entrou na jogada de maneira criminosa. Resultado: foi expulso. O jogador levou o cartão vermelho após uma sequência lances polêmicos e equivocados, com desvios de mão na bola e entradas faltosas e desleais, não contabilizadas, que desfalcou tanto os titulares como o banco adversário. O líbero italiano, então, foi enquadrado e julgado pela justiça desportiva.

    Aquela expulsão balançou o esqueleto no armário e piorou o clima no vestiário do time vermelho. A polêmica em relação à suspensão do jogador chegou aos tribunais, em meio as denúncias e delações de executivos da patrocinadora máster da camisa da agremiação. A empreiteira estava envolvida no processo de desmanche moral e legal da esquadra, que havia ajudado a compor. A conta de valores de patrocínio do uniforme passava de bilhões. O vínculo entre o clube da estrela sindical solitária e o patrocinador estava abalado.

    A permanência do velho treinador e dirigente no cargo, corria risco.
    Sua comissão técnica de advogados e blogueiros, foi convocada às pressas, para mudar a narrativa da partida, alegando que o árbitro se confundiu, trocando o número da camisa do jogador. Diziam, em defesa do líbero, que o zagueirão não estava na jogada; que o beque italiano não entrou na dividida que ocasionou o pênalti e a sua consequente expulsão. Para que o comandante pudesse enfrentar a justiça, na rodada seguinte, em condições mais favoráveis, entraram com um recurso de efeito suspeitíssimo.

    — O senhor sabe explicar a jogada? O zagueiro cometeu o pênalti? — quis saber o juiz na audiência.
    — Meritíssimo, eu vi o que todo mundo viu. Na verdade, no replay da TV, dá para ver que alguém deu uma tesourada por trás. A maioria tem certeza que foi o Italiano. Foi o que ouvi dizer, lá na hora — depôs o olheiro, executivo da empreiteira patrocinadora máster da equipe vermelha.
    — Pela ordem, Excelência! A testemunha deve narrar fatos! Não o que viu no intervalo, em câmera lenta, ou com a visão encoberta na arquibancada.
    — Eu estava como convidado vip, na tribuna de imprensa, doutor! — rebateu o olheiro.
    — Cada um acha ou ouve, o que quiser. Opinião de torcedor não vale! Eu vi outra coisa…
    — O que é que só o senhor viu, advogado?
    — Impedimento claro do ataque adversário! A sequência do lance deveria ser impugnada, junto com a vossa pergunta, juiz.
    — O nobre advogado da defesa, viu impedimento na jogada?
    — Foi um contragolpe, cheio de adversários na banheira!
    — O zagueiro dava condição, advogado.
    — O bandeirinha estava mal posicionado na direita. Não subiu o pano vermelho! A testemunha diz que “ouviu dizer” que um tal de Italiano cometeu o pênalti! Eu pergunto: conferiu bem, meu amigo, o replay?
    — O doutor, da próxima vez, faça curso para arbitragem e assuma, então, a condução da partida. Quem manda na audiência é o juiz.
    — Vossa Excelência saiba que fiz exame na FIFA! Cada um apita quando pode, tá certo?
    — A questão aqui não é sobre impedimento, doutor!
    — Como não, excelência?
    — A testemunha é parte interessada, pois cuida do patrocínio da camisa. Reitero a pergunta e depois passo a palavra ao advogado da turma do amendoim.
    — Essa defesa insiste no direito de fazer a pergunta à testemunha.
    — Qual é pergunta, advogado?
    — Quem enfiou a mão na bola e deu a tesourada? Não foi outro jogador? Não foi assim?
    — Não! Não… não é assim, doutor. A gente sabia que só poderia ser o italiano, o número três… ele foi treinado pra isso. — emendou de primeira, o olheiro.
    — A gente, quem? — cercou o juiz.
    — Eu soube por um colega próximo, que operava diretamente com o treinador e dono do time. Ele me narrou o lance, em ‘off tube’!
    — Confirmando: segundo a escalação do time patrocinado pelos senhores, quem era o jogador que respondia pelo apelido de “Italiano”? — indagou o juiz, enquanto conferia a súmula do jogo.
    — Era o camisa 3, o zagueiro tosco e brucutu responsável por adiantar a marcação e abrir a caixa de ferramentas! Ele era o titular na escalação — confirmou o olheiro, abrindo o esquema tático retranqueiro do time.

    O advogado resolveu entrar na roda, se fazendo de bobo:
    — Não vou aceitar essa violência contra as regras táticas de posicionamento dos jogadores em campo! Com o devido respeito, excelência, isso não é armação que se apresente.
    — Tá bom, doutor! Sua questão é que está impedida! A testemunha tem conhecimentos técnicos. Se o olheiro não souber, pode dizer que não sabe quem vestiu a camisa.
    — É um apelido em busca de um nome na camisa! Nós, da comissão técnica, advertimos a testemunha de que, por contrato de patrocínio, está proibido de depor sobre o que ele acha. Ele que traga uma prova!
    — Como quiser, doutor! Estou perguntando à testemunha. Tem uma prova?
    O executivo apanhou uma camisa vermelha e colocou sobre a mesa. A logomarca da empreiteira estampava a frente e as costas do uniforme:
    — Tá aqui! O italiano me mandou a camisa do jogo, cobrando novo patrocínio. Simplesmente leio o que está escrito na dedicatória:
    “Acerte o seu aí, que eu arredondo o meu valor aqui. A taça do mundo será nossa! Abraço do amigo Italiano, Palóffi!”

    Sobre o número 3, no branco da camisa, havia um autógrafo bem visível com data, cifras, comissão e tudo.

  2. Zanin ainda vai acabar complicando ainda mais a vida do lula, rsrsrs.
    Isso é melhor que Mc Donalds.
    AMO MUITO TUDO ISSO!!

  3. e, e, e,
    e, o zènin.guém não dá uma dentro !!! o zenin.guém lascou-se !

    bem que devia estar enrolando a justiça quiném o roberto teixeira, o malandrão !!!

  4. Acabou, petistas! Acabou, lulistas! Acabou, dilmistas! Acabou, intelectuais, artistas, acadêmicos, poetas e patetas afins! Acabou, dinossauros predadores da sociedade civil! DIA HISTÓRICO! Por anos, décadas, testemunhei o enriquecimento espúrio e impune de políticos e militantes do PT. Hoje, digo em uma enxurrada de dopamina: COMO É BOM NÃO SER PETISTA! Sempre tivemos razão e hoje é o nosso dia…

    1. Apoio 100%
      Antes quando ainda não estavam roubando, viviam acusando os outros de ladrões, quem viveu nos ambientes universitários dos anos noventa conhece bem essas pragas.

    2. É bom mas ainda é pouco! Lula na cadeia, é isso que eu quero ver. Cadeia mesmo, aquele pequeno cômodo com barras de ferro na porta e janela. E rápido! Cada dia que esse facínora fica perambulando pelo país é um acinte contra a população honesta.

    3. Como bem disse o Raporto, dia de júbilo para os brasileiros de bem.
      Agora, terá mais júbilo com toda essa canalhada trancafiada na cadeia, pra sempre.
      Não vamos esquecer de nenhum nome que participou dessa tremenda rapinagem. O nosso Brasil, jamais mereceria isso!

  5. zanin que me desculpe, mas não tem cacife para debater com palocci.
    É uma pena palocci ter usado sua enorme capacidade administrativa para o mal.

  6. kkkkkkkkkkk
    LACROU no babaca NERD !!
    Isso é uma mini série…o país está parada com tantas revelações bombásticas, Carminha PRESIDENTE DO STF fazendo a CLEÓPATRA na cara dura..com o país derretendo com tantos crimes de colarinho branco de políticos,junto com o TRIBUNAL por ela dirigido todos MUDOS, como se NADA tivessem com GEDDEL solto..Lula solto…Temer solto…Renan solto..Aecio solto.. !!

Comentários temporariamente fechados.
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.