A ‘taxa de administração’ de Palocci

A maior parte dos R$ 128 milhões pagos pela Odebrecht foram destinados ao PT, inclusive a João Santana. Mas há indícios de que Antonio Palocci também embolsou a sua parte.

“Há uma anotação de R$ 6 milhões, que requer maior aprofundamento. Mas há possibilidade de que tenha havido proveito pessoal”, diz Laura Tessler.

Era uma espécie de taxa de administração do gestor dos recursos ilícitos.

Faça o primeiro comentário