Para Fachin, metáfora de Janot não é parcialidade

Edson Fachin discordou da defesa de Michel Temer, que questionou a parcialidade da declaração de Rodrigo Janot de que “enquanto houver bambu, vai ter flecha”.

O ministro argumentou que “o emprego de metáforas ilustrativas, por si só,
não preenche o figurino legal exigido para configuração das hipóteses de
suspeição e impedimento”.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Que surpresa! Será que o boião de leite, delação da JBS: É metáfora? É surpreendente. O acordo com os Batistas, alguém acredita que foi para salvá – los? Óbvio que não. Qual a chance da população em saber a verdade, e a quem estão protegendo?

  2. Ler mais 6 comentários
    1. Que surpresa! Será que o boião de leite, delação da JBS: É metáfora? É surpreendente. O acordo com os Batistas, alguém acredita que foi para salvá – los? Óbvio que não. Qual a chance da população em saber a verdade, e a quem estão protegendo?

    2. Desde o primeiro momento achei uma ação bizarra. O “promotor” é parcial. Ele é uma parte do processo. O acusado outra parte. Quem não pode ser parcial é o julgador.