ACESSE

Para Gilmar, sumiço de Queiroz é 'estratégia de se manter distante da mídia'

Telegram

Gilmar Mendes reconheceu, na decisão que manteve a prisão domiciliar de Fabrício Queiroz, que ele se recusou a depor várias vezes, em interrogatórios que foram marcados e remarcados.

Disse até que esses parecem ser os indícios “mais sólidos para justificar a segregação cautelar do paciente”. Mas não se convenceu.

Para o ministro, o sumiço do ex-assessor de Flávio — que durou do fim de 2018 até junho deste ano — “não representam provas inequívocas de tentativas concretas de se furtar à aplicação da lei penal”.

“O que se denota dos autos é, na realidade, a adoção de uma estratégia de se manter distante dos olhares da mídia e da repercussão política”, escreveu o ministro.

Desse jeito, Queiroz pode até pedir para se hospedar de novo no sítio de Frederick Wassef.

 

Leia mais: Foro privilegiado: o STF dividido de novo

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 143 comentários