ACESSE

Para não formar 'mini-Marxs', MG inclui autores liberais no Ensino Médio estadual

Telegram

O governo Zema (Novo) incluiu pensadores liberais no currículo dos colégios estaduais.

Segundo reportagem da Folha, cerca de 382 000 alunos do ensino médio, durante a pandemia, estão tendo contato com textos de Ayn Rand e Frédéric Bastiat.

“O ensino público no Brasil, e em Minas não é diferente, sempre foi uma escolinha de marxismo, feita para formar mini-Marx”, contou ao jornal Luiz Orione, professor de filosofia na rede estadual e um dos autores da iniciativa.

Como as aulas presenciais estão suspensas, os alunos recebem apostilas digitais para o ensino à distância, nas várias disciplinas.

Ayn Rand (1905-1982) é a autora de A Revolta de Atlas, que mostra uma distopia na qual as empresas nos Estados Unidos sofrem com leis e regulamentos.

Frédéric Bastiat (1801-1850), leitor de Adam Smith, desenvolveu o conceito econômico do custo de oportunidade e a parábola da janela quebrada, que explica que o dinheiro usado para consertar os danos após um desastre, por exemplo, não gera benefício líquido para a sociedade.

O que (não) surpreende é que esses autores, que são influentes e cujos livros já são há tempos editados em português, ainda estavam fora do currículo.

Leia mais: CHEQUES DE QUEIROZ A MICHELLE BOLSONARO: O PRÓXIMO CAPÍTULO

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 59 comentários