Para salvar Chico, Alcolumbre ignorou precedentes do Senado

Para salvar Chico, Alcolumbre ignorou precedentes do Senado
Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Desde 2012, ao menos cinco senadores pediram à Mesa Diretora do Senado a chamada “licença para tratar de interesse particular” por um período superior a 120 dias, diz a Crusoé.

Dentre eles, apenas Chico Rodrigues, o senador flagrado com dinheiro entre as nádegas, não foi submetido à votação pelo plenário do Senado.

Como publicamos, uma brecha no regimento interno da casa permitiu que Chico não tivesse que se submeter à votação em plenário para se afastar por 121 dias.

De acordo com normas internas do Senado, as licenças superiores a 120 dias devem passar pelo crivo de todos os senadores —desde que o período de licença ocorra todo no mesmo ano legislativo.

O mesmo tratamento não foi dado pelo próprio Alcolumbre a Cid Gomes, por exemplo, que pediu uma folga de 122 dias no em 11 de dezembro do ano passado.

Leia aqui a nota completa.

Leia mais: Deputados federais custam R$ 189 mil por mês aos pagadores de impostos; senadores, ainda mais
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 36 comentários
TOPO