Parabéns, Vallisney!

O juiz Vallisney de Oliveira condenou três ex-conselheiros do Carf em mais uma ação penal derivada da Operação Zelotes, que desvendou um esquema de venda de decisões sobre autuações fiscais.

Os ex-conselheiros Benedicto Celso Júnior e Pedro Anan Júnior foram condenados por corrupção e lavagem de dinheiro. Nelson Mallmann foi enquadrado em tráfico de influência.

Vallisney, que acolheu em grande parte o entendimento dos procuradores, está de parabéns.

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

Ler mais 11 comentários
  1. E ainda falta condenar João Carlos Figueiredo, preso em flagrante em julho de 2016 em um café do shopping Iguatemi (DF), tentando vender sua influência no processo de fusão do Itaú com o Unibanco, do qual era relator e que teria pedido R$ 1,5 milhão para emitir uma decisão favorável ao banco. Na época, em nota, o Ministério da Fazenda lamentou o ocorrido e disse que tem adotado medidas para corrigir as “vulnerabilidades” do órgão. Traduzindo: mesmo depois da Operação Zelotes, em 2015 e do prejuízo bilionário aos cofres públicos, a roubalheira continuou correndo solta naquele “órgão colegiado paritário, formado por representantes do Estado e da sociedade”. É para isso que serve a Receita Federal no Brasil: abrigar corruptos e “pescar” cidadãos honestos na “malha fina”. É patético…

    1. Oriente-se: o CARF, como vc mesmo disse, é um órgão paritário. Tem conselheiros indicados pela Fazenda (auditores) e pelos grandes (não) contribuintes (CNI, FIESP, FEBRABAN, etc), que são advogados que ora atuam na defesa desses (não) contribuintes, ora como julgadores/conselheiros.
      TODOS conselheiros investigados na Zelotes, bem como esse do caso Itaú, foram indicados pelos (não) contribuintes. Essa excrescência só existe no Brasil. São advogados a mando dos seus patrões que estão no CARF dedicados a tentar livrad a cara dos grandes sonegadores.

  2. Coloco muitas esperanças em um trabalho de qualidade e, principalmente, justo, pelo juiz Vallisney, é novo, aparentemente bem-intencionado e honesto, tem graves dificuldades no MP federal, mormente com o procurador Ivan Marx, que coloca a ideologia acima de suas obrigações e da lei, mas, apesar disto, busca trabalhar com celeridade.
    Que o restante do MP e a Polícia Federal dê seu apoio e ele consiga fazer com que a lei seja cumprida contra os poderosos políticos e seus asseclas.

    1. Vallisney é ótimo, mas ele não é jovem, não. Ele é mais velho que Bretas e Moro. Está perto de ser promovido já.