Parceria com EUA depende de como Brasil 'abordará algumas questões', diz republicano

Parceria com EUA depende de como Brasil abordará algumas questões, diz republicano
Foto: Banco Mundial

O republicano Robert Zoellick, que comandou o Banco Mundial e chefiou negociações comerciais dos Estados Unidos, afirmou a Crusoé que o governo brasileiro pode construir boas pontes com Joe Biden na Casa Branca.

Isso dependerá, porém, de como o Brasil deve tratar algumas questões, como a pandemia e o meio ambiente.

“Não acredito que o próximo governo tentará comprar briga com o Brasil. Olhando para a história dos dois países, o que vejo é que ambos podem se beneficiar mutuamente. Em três momentos da história, essa relação foi muito frutífera. No início do século XX, falava-se em criar uma prosperidade comum. Havia um bom relacionamento com Joaquim Nabuco e o Barão do Rio Branco. Décadas depois, os dois países também se aproximaram na Segunda Guerra. O Brasil foi muito importante nesse esforço com as commodities e permitiu a realização de uma ponte aérea para África e Europa. Soldados brasileiros lutaram na Itália. Mas o mais importantes desses momentos foi a interação entre o presidente americano Bill Clinton e o brasileiro Fernando Henrique Cardoso. Nos anos 1990, por exemplo, o Brasil precisou de ajuda para consolidar sua democracia e lidar com a dívida. Agora, para que esse parceria possa seguir adiante, muito vai depender de como o Brasil abordará algumas questões, como a pandemia, a mudança climática, o meio ambiente e a recuperação fiscal.”

LEIA AQUI a entrevista completa; assine a Crusoé e apoie o jornalismo independente.

Foto: Reprodução

Leia mais: Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 13 comentários
TOPO