Parola não parla

O Globo traz uma reportagem interessante sobre o porta-voz de Michel Temer, Alexandre Parola.

A ideia era copiar o modelo americano. Está claro que não deu certo.

“Indicado a Temer [em setembro do ano passado) pelo assessor internacional da Presidência, Fred Arruda, também do Itamaraty, Parola foi escalado para abrir um canal oficial com a imprensa, depois de alguns ministros causarem ruídos no governo ao falarem demais em entrevistas.

(…) Nas primeiras semanas, Alexandre Parola chegou a experimentar o modelo de responder a questionamentos, mas logo voltou a apenas ler notas oficiais de Temer, normalmente as comemorativas sobre resultados econômicos.”

Oi?

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 10 comentários
  1. Algumas famílias petralhas (na petralhandia muito antiga), tinham muito dinheiro e, para demonstrar a sua opulência, deixavam as unhas das mãos crescerem; nunca as cortavam.
    Que era para rapinarem melhor!

  2. Algumas famílias chinesas(na china muito antiga), tinham muito dinheiro e, para demonstrar a sua opulência, deixavam as unhas das mãos crescerem; nunca as cortavam. Resulta que: nem a higiene pessoal após a evacuação lhes era possível efetuar; Tinham um escravo exclusivo para lhes limpar as bundas.
    É similar a estes “ditadores romanos” que têem que ter um “porta-voz”? Porque não falam eles mesmos?
    Nojentos!

  3. Parola non parla e Fred – que o indicou – é da Família Flintstone, amigo do Barney e marido da Wiiiilmaaa! Michel Temer e esses caras são realmente da Idade da Pedra (lascada, diga-se). Temer tem certeza que União Soviética ainda existe, chama assessores de “boko moko” e acha que a Marcela “…é um pitéu!”. Meu Deus (nem tenho um!), oremos! Mas oremos com bastante força, para ver se adianta. Lula fez, em dois mandatos, a média de 1 discurso e meio por dia, todos os dias. Era, ao mesmo tempo, presidente e líder da oposição, fenômeno nunca antes registrado na política mundial. Se Lula jogasse bola, ele bateria o escanteio, faria o gol de cabeça e subiria à cabine para narrar o lance. Em compensação, Michel Temer está com vias urinárias entupidas, mas continua defecando normalmente no país.