O ministro Patrus Ananias ou “Crucifixion? Good!”

O Antagonista acha que, entre um setor que contribui com 40% das exportações, além de gerar 37% dos empregos no país, e organizações ideológicas que invadem terras e semeiam a destruição, é mais racional ficar do lado do primeiro. Escolhemos Kátia Abreu, ministra da Agricultura, e descartamos Patrus Ananias, ministro do Subdesenvolvimento Agrário. Ananias, no seu discurso de posse, disse que “não basta derrubar cerca de latifúndio” e que o “o direito á propriedade não é inquestionável”. Ele evocou até o Papa Francisco, para defender o seu ponto de vista, esquecendo que papa é papa, jogo é jogo. Depois, ao responder perguntas, deu uma maneirada nas declarações — provavelmente, com medo de tomar pito de Dilma Rousseff.
Um dos antagonistas tomou um café com Patrus Ananias, anos atrás, quando ele era ministro do Desenvolvimento Social etc. Com o seu ar de velho professor amigável, Patrus Ananias enfastiou Roberto Civita, então presidente da Abril — e, para voltar à religião católica, lembrou ao antagonista presente ao café o soldado romano do filme “A Vida de Brian”, do grupo britânico Monty Python, que gentilmente indicava o caminho aos condenados à crucificação. “Crucifixion? Good!. Out of the door, line on the left, one cross each.”