ACESSE

Pazuello e a "orientação do momento" no Ministério da Saúde

Telegram

Em julho, o Ministério da Saúde trocou a campanha do “fique em casa” para pacientes com sintomas leves de Covid-19, para o “vá imediatamente ao médico”.

O general Eduardo Pazuello, que comanda interinamente a pasta, disse à Folha que a ideia é que o paciente não fique “em casa isolado, sozinho, doente, até sentir falta de ar”.

“Antes falava-se que a melhor maneira de tratar era aquela, e não é que era errado, era a orientação naquele momento. Hoje se descobriu que a melhor maneira de tratar é buscar o atendimento básico, e o médico diagnosticar, acompanhar o tratamento e passar os medicamentos que achar que deve passar.”

Para Luiz Henrique Mandetta, a nova medida traz risco de aumentar o contágio.

“Se fosse necessário mudar a orientação, eu não tinha problema em fazer. Mas as evidências até hoje não mudaram. A história natural dessa doença é que 85% registram formas leves, 15% vão precisar de internação hospitalar e 5% vão para a CTI.”

Leia mais: Sócios no desastre: a responsabilidade dos governadores na pandemia. Clique aqui para ler mais

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 56 comentários