PCC escondia dinheiro vivo em fundos falsos de imóveis

As investigações do Ministério Público de São Paulo sobre o PCC apontaram que líderes da facção escondiam dinheiro em espécie em fundos falsos dentro de imóveis.

As provas colhidas até o momento apontam movimentação anual superior a R$ 100 milhões, envolvendo 21 integrantes da alta cúpula do tráfico de drogas.

Segundo o órgão, centenas de milhares de reais eram ocultados semanalmente debaixo do chão em imóveis usados pela facção, ou por meio de lavagem na compra de carros de luxo.

O dinheiro em espécie guardado era depois passado a doleiros para transferências.

Toda a movimentação, segundo o MP-SP,  tinha “rigoroso controle em planilhas”.

 

Leia mais: EXCLUSIVO: A APURAÇÃO SOBRE A LIGAÇÃO DO MINISTRO DIAS TOFFOLI COM A ODEBRECHT E A OAS
Mais notícias
TOPO