Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

'PEC do Gilmar': "Vamos ver se o Arthur vai querer chegar chegando"

Líderes de partidos dizem que o presidente da Câmara, ainda em Roma, está em busca de acordo para aprovar a proposta ainda nesta semana
PEC do Gilmar: “Vamos ver se o Arthur vai querer chegar chegando”
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Na última quinta-feira (7), minutos depois de a votação da ‘PEC do Gilmar’ ser adiada, Arthur Lira (foto), de Roma, enviou uma mensagem a um interlocutor sorrindo e dizendo que a proposta seria votada nesta semana, como noticiamos.

Desde então, o presidente da Câmara, que ainda não voltou ao Brasil, tenta costurar um acordo com as principais lideranças.

Um líder pedindo reserva (incrível como a maior parte deles teme Lira) disse a O Antagonista:

“Na semana passada, era o Marcelo Ramos [na condução dos trabalhos]. Vamos ver como é que o Arthur chegará na quarta-feira [pós-feriado de Nossa Senhora Aparecida]: se ele vai chegar chegando ou se vai deixar isso solto. O Arthur tem uma característica muito forte: ele joga para ganhar. Nesse caso, ele já deve ter dado um puxão de orelha no relator e mandado resolver as pendências para, a partir daí, se arrumar com a tropa que garante os votos e, depois, avisar à oposição como vai tratorar no plenário.”

O mesmo líder comentou:

“Na semana passada, foi tudo muito atabalhoado e isso atrapalhou bastante a votação. Em um único dia, o relatório apresentou quatro textos diferentes. Isso deixa todo mundo mal-humorado.”

Após pressão de O Antagonista, a votação da PEC — que precisa de, no mínimo, 308 votos na Câmara — acabou sendo adiada. Como registramos mais cedo, representantes do Ministério Público querem, ao menos, cinco alterações no texto: leia aqui.

“Estão tentando o acordo. Sem acordo, não passará nem sequer com o quórum mais alto possível em plena semana de feriado”, afirmou a este site outra liderança partidária.

Um dos pontos que devem dificultar o tal acordo é o que dá mais poder ao procurador-geral da República.

“Hoje, a classe política está satisfeita com o Augusto Aras e, por isso, acha que o texto deve prosseguir com os amplos poderes ao PGR. Ainda tem muito de ‘sangue nos olhos’ contra a Lava Jato”, acrescentou o líder, também em reservado.

Leia também: O império dos salteadores

Mais notícias
Mais lidas
  1. Moro, Leite e Faustão

  2. O recorde negativo de Luciano Huck

  3. As prévias da Terceira Via

  4. A reforma ministerial de Malafaia

  5. Criptonita gay

Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler comentários
TOPO