A pedido da OAB-RJ, Dias Toffoli blindou escritórios de advocacia de investigação do TCU

O Antagonista descobriu que, em 31 de outubro de 2017, a OAB-RJ entrou no STF com um mandado de segurança para impedir que o TCU investigasse os escritórios de advocacia beneficiados por Orlando Diniz, preso na Operação Jabuti.

A apuração do TCU ocorre paralelamente à investigação da Lava Jato.

Na ausência de Ricardo Lewandowski, relator do caso, a liminar foi deferida por Dias Toffoli, que mandou suspender julgamento do TCU até que o STF se manifeste sobre o que a OAB chama de “violação de prerrogativas da advocacia”.

É preciso dizer à OAB-RJ que lavar propina não é prerrogativa da advocacia e que a entidade de classe deveria, justamente, incentivar uma investigação rápida e transparente sobre o caso – não impedi-la.

Comentários

  • Tony -

    E assim os tempos e os bandidos "just walk by". Creio que é hora de "A Magistratura" brasileirar-se e deixar de atender os reais e os dólares.

  • Fritz -

    Lamentavelmente a OAB deu uma "bola fora" ao tentar deter investigações do TCU. Que decepção! Uma entidade que deveria estar ao lado da verdadeira justiça e na caça de corruptos, está sim os protegendo dos braços da Lei. Mais uma entidade que não está ajudando o país.

  • Reinaldo -

    A OAB é uma entidade que envergonha a classe e a Justiça como um todo e, já faz muito tempo. A OAB - RJ envergonha a todos os brasileiros ao proteger Black Bloc em passeatas, dificultar as FFAA no combate à criminalidade e, agora ao proteger ladrões de colarinho branco em detrimento das bancas honestas. É uma questão de dignidade que estas secções sejam interditadas. Independentemente de o caso fosse atendido por Lewandowski ou Toffoli, ambos são apenas soldados a serviço do PT no STF, o resultado seria o mesmo, já que o importante para eles é atenuar os pecados do partido, envolvendo mais gente nesta sujeira toda. A cleptocracia da esquerda funciona desta maneira. A solução está em buscar justiça nos órgãos independentes como a PF e o MP.

Ler 204 comentários