Perfil do STF no Twitter desmente ladainha de Bolsonaro

Perfil do STF no Twitter desmente ladainha de Bolsonaro
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O perfil oficial do STF no Twitter publicou nesta segunda (18) uma mensagem desmentindo uma das mentiras favoritas do presidente Bolsonaro e dos bolsonaristas: a de que a corte teria proibido o governo de agir na pandemia.

“A verdade é que o Plenário do STF decidiu, no início da pandemia, em 2020, que União, Estados, Municípios e o DF têm competência concorrente na área da saúde pública para realizar ações que reduzissem o impacto do [sic] Covid-19”, diz o texto.

“Ou seja, é responsabilidade de todos os entes da federação adotar medidas em benefício da população brasileira”.

No começo do ano passado, o PDT questionou a validade da Medida Provisória nº 926, assinada por Bolsonaro. Pelo texto da MP, “[o] Presidente da República disporá, mediante decreto, sobre os serviços públicos e atividades essenciais”.

O STF entendeu, em abril de 2020, que “a possibilidade do chefe do Executivo Federal definir por decreto a essencialidade dos serviços públicos, sem observância da autonomia dos entes locais, afrontaria o princípio da separação dos poderes”.

Pouco antes, Alexandre de Moraes impediu Bolsonaro de decretar o fim das quarentenas nos estados.

Em outubro, o Supremo confirmou a liminar de Moraes que assegurou a governadores e prefeitos o poder de decretar medidas de isolamento social independentemente dos decretos do presidente.

O STF proibiu Bolsonaro, isso, sim, de decretar início ou fim das quarentenas nos municípios a seu bel-prazer. Não o proibiu de trabalhar.

RelembreSTF nunca proibiu Bolsonaro de enfrentar Covid-19

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
Mais lidas
  1. "Lockdown imediato, nacional, de 21 dias"

  2. "O BOBO DA CORTE"

  3. Só o Peru é pior

  4. Magazine Dilma

  5. Nunca morreu tanta gente

Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 139 comentários
TOPO