Pesquisadores da UnB não encontram ‘vulnerabilidade’ nos sorteios do STF

Pesquisadores da Universidade de Brasília divulgaram um parecer sobre o sistema de distribuição de processos do STF.

No documento, detalha o Jota, afirmam que não encontraram nenhuma vulnerabilidade nem direcionamento no algoritmo e no sistema que prepara as rotinas para a distribuição das ações.

O pesquisador Henrique Costa, em entrevista ao site jurídico, disse que o algoritmo do STF é um trabalho “em construção”. A equipe recomendou, segundo ele, que a Corte publique seu código-fonte por entender que não há nenhum risco nesta divulgação.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 29 comentários
  1. ALTAMIR ANDO ROLA é nick escroto do veadão burro, o LUCAS SILVA. Este merdinha petralha é o CAMALEÃO dos comentaristas dos Antas. Ele é Bolsonarista, Alckmista, Cirista, Marinista. Um bostão!!!

    1. Exato! Senao fica igual a pesquisa do datafolha em que a analista chefe eh militante ativa do PT! A estatística Renata Nunes Cesar, defensora do “lula livre”

  2. Código bolivariano.No Brasil,o algoritmo do Supremo,das urnas eletrônicas e do pregão digital é como uma nota de 3 reais.O sistema tem de ser transparente,aberto e auditável para evitar fraudes

  3. Quem quer fazer uma ‘auditoria’ não chama o lobo para tomar conta do galinheiro! Só aqui nesse odnumoduclisarb! Isso não é isenção! Universidade publica, fazendo parcer no Estado kkkkk piada!

  4. A melhor maneira de estudar se existe algum viés, é estudar as ultimas 1000, 5000, 10000 … e por aí vai distribuições. É preciso estudar a estatistica de distribuição. Ela falará melhor q o

    1. A realidade falará melhor q o SUPOSTO código utilizado.Basta um simples estudo estatístico, mais fácil e rápido de realizar do q as pesquisas de itenção de voto. Me admira não terem feito aind