“Pezão fez-se representar”

Eliot Gaspari:

“Está no meio da papelada da Lava Jato:

Entre os dias 10 e 11 de setembro de 2014, o governador Pezão fez-se representar na assinatura de quatro empréstimos, no valor de R$ 2,1 bilhões. Um deles, no valor de R$ 600 milhões, foi tomado junto ao Credit Suisse, representado por Sérgio Firmeza Machado, filho do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

Sérgio 2.0 era funcionário do banco e colabora com as investigações. Ele revelou que o Credit Suisse mimou a qualidade de seus serviços com um bônus de R$ 48 milhões.”

O Antagonista mostrou que, naquele ano, o bônus do filho de Sérgio Machado foi bem maior do que o do presidente mundial do Credit Suisse, para espanto do mercado.

Faça o primeiro comentário