Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Polícia Federal investiga possível ligação do PCC com desvios na Saúde do Rio

Polícia Federal investiga possível ligação do PCC com desvios na Saúde do Rio
Foto: Adriano Machado/Crusoé

A Polícia Federal investiga uma possível ligação do Primeiro Comando da Capital (PCC) com fraudes na Saúde do Rio de Janeiro.

A organização criminosa teria usado o “Banco do Crime”, como é conhecido seu esquema de lavagem de dinheiro usado em transações ligadas ao tráfico de drogas, para movimentar recursos desviados de hospitais de campanha na pandemia durante a gestão do ex-governador Wilson Witzel.

A Operação Tempestade, deflagrada pela PF nesta semana, indica que pelo menos duas empresas eram usadas como bancos: o “Banco Neman” e a Bidu Cobranças, Investimentos, Transportes e Participações.

O relatório da Polícia Federal diz que os investigados criaram uma estrutura própria para o“branqueamento de capitais por meio do uso de empresas fictícias e de laranjas conscientes”, emitindo notas fiscais frias para justificar a prestação de serviços inexistentes.

O empresário Dalton Baptista Neman é apontado como o líder do esquema criminoso – que incluiria ainda seu filho.

Em 2016, ele foi um dos alvos da Operação Laços de Família, que investigou envolvimento do ex-presidente do Paraguai Horácio Cartes com o contrabando de cigarros para o Brasil.

Neman manteria contato com outras divisões do PCC, como o chamado Núcleo Canadense.

Foi por esse caminho que surgiram as suspeitas da PF de ligações entre o Banco do Crime e os desvios dos recursos pata o combate ao coronavírus.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO