PF investiga transações entre assessores de Damares e blogueiro

O Globo noticia que a Polícia Federal, no âmbito do inquérito envolvendo atos antidemocráticos, passou a investigar transações financeiras entre quatro assessores do ministério de Damares Alves e o blogueiro Oswaldo Eustáquio (foto).

A reportagem conta que, durante depoimento, Sandra Terena, mulher de Eustáquio, disse que diversos repasses de seu marido para funcionários do ministério eram “pagamento de empréstimos”. Em outros momentos, Sandra usou seu direito de ficar em silêncio.

A PF também questionou o fato de uma funcionária do ministério ter pago o aluguel da casa onde Sandra e Eustáquio moravam em Brasília. Ela respondeu que pediu o dinheiro emprestado.

Em uma extensa nota enviada a este site, Oswaldo Eustáquio disse que sua mulher foi chamada a um depoimento para ser “constrangida”, “para responder a perguntas que dizem respeito a mim, e não a ela”. Ele justifica algumas das transações que estariam sendo investigadas.

“Um dos depósitos foi realizado para Alexandre Magno, no valor de R$ 3.100. Tal repasse foi realizado porque, em uma viagem oficial para o Haiti, o cartão da minha esposa não foi aceito. Alexandre pagou as despesas de forma gentil e o valor depositado em sua conta foi para pagar tais despesas, que podem ser vistas nos comprovantes do hotel da cidade de Porto Príncipe. Fiz também um depósito de R$ 4.500 para outra servidora, com o objetivo de comprar um aparelho celular usado, o mesmo que foi apreendido pela Polícia Federal.”

Na nota, Oswaldo Eustáquio também fala do aluguel pago pela servidora do ministério.

“Outro ponto importante a ser esclarecido é o pagamento do aluguel da nossa casa no mês de junho, no valor de R$ 5.333, por Ariane da Paixão, servidora do ministério. Ariane mora conosco há quase dois anos. Sandra emprestou esse valor dela, porque nesse período tivemos que pagar aluguel de duas casas, pois começamos a receber ameaças de morte contra nossos filhos, que tiveram que deixar a escola.”

Leia mais: A PF no rastro do 'gabinete do ódio'
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 33 comentários
TOPO