PF prende ex-presidente de banco e investiga FGV em esquema de corrupção

Agentes da Polícia Federal prenderam agora de manhã Edson Menezes, ex-superintendente do Banco Prosper e ex-presidente da Bolsa de Valores do Rio.

A operação investiga o pagamento de propina na venda da folha de pagamento dos servidores do Rio no governo de Sérgio Cabral, segundo o G1.

O leilão foi preparado por uma consultoria da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que subcontratou o Banco Prosper.

Menezes teria pago R$ 6 milhões em propina. A FGV é suspeita de ter participado do esquema.

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 18 comentários
  1. O estado do Rio é aquela calamidade pública conhecida porque seus sucessivos governos, as instituições privadas e o empresariado, gananciosos e corruptos, arruinaram tudo. Causa e consequência.

  2. kkkk. Até os bastiões da retidão, livre comércio e doutrinação de administradores está metida até o pescoço na corrupção. FGV na lata de lixo. Que bom que chegou às auditorias…

  3. Geraldo gianetti ORCRIMin, Geraldo roubamerenda ORCRIMin, Geraldo paulo preto ORCRIMin, Geraldo centrão da corrupção ORCRIMin, Geraldo beiçola ORCRIMin, Geraldo aecio ORCRIMin, Geraldo PCC ORCRIMin,

  4. Se olhar em nível federal, verão a FGV e a UnB envolvidas em muuuuuuuuuuuuuuuitas “consultorias” milionárias. E a Católica de Brasília também. Tá T U D O podre. T U D O.