ACESSE

Lava Jato "não é um órgão autônomo e distinto do MPF”, diz PGR

Telegram

Em nota divulgada na manhã deste domingo, a Procuradoria-Geral da República afirmou que a Lava Jato “não é um órgão autônomo e distinto do Ministério Público Federal, mas sim uma frente de investigação que deve obedecer a todos os princípios e normas internos da instituição”.

“Para ser órgão legalmente atuante, seria preciso integrar a estrutura e organização institucional estabelecidas na Lei Complementar 75 de 1993. Fora disso, a atuação passa para a ilegalidade, porque clandestina, torna-se perigoso instrumento de aparelhamento, com riscos ao dever de impessoalidade, e, assim, alheia aos controles e fiscalizações inerentes ao Estado de Direito e à República, com seus sistemas de freios e contrapesos”, diz.

A nota diz ainda que a saída dos três integrantes do grupo da Lava Jato na PGR não trará “qualquer prejuízo para as investigações” conduzidas em Brasília e que houve “redução natural dos trabalhos no grupo da Lava Jato, decorrente de fatores como a restrição do foro por prerrogativa de função determinada pelo STF”.

A saída dos procuradores, como revelamos, ocorreu depois que a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, uma das auxiliares mais próximas de Augusto Aras, quis copiar bancos de dados sigilosos das investigações da Lava Jato, informalmente e sem apresentar documentos ou justificativa.

Leia mais: A estratégia de Bolsonaro para chegar ao fim do mandato

Comentários

  • EGIDIO -

    Pode ser um mané, mas está certo. Ou os garotos de Curitiba têm dua própria PGR ? A forma não é relevante, relevante é o resultado. E pelo que se sabe, está tudo parado...

  • Fábio -

    É pura retaliação combinada com o Bolsolixo. Este Aras é malandro e nem estava na lista tríplice. Bolsolixo agindo igual o analfabeto Luladrão.

  • Raimunda -

    É assim que As democracias morrem". Corroídas "por dentro",por aqueles a quem pagamos para defende-las.

Ler 209 comentários