PGR quer compartilhar delações para ações de improbidade contra Gleisi, Collor e outros

Raquel Dodge enviou ao STF hoje 20 manifestações sobre diferentes casos em que solicita o compartilhamento de informações com a primeira instância.

O objetivo é que a documentação instrua ações de improbidade administrativa contra políticos investigados na Lava Jato.

São depoimentos, termos de colaboração premiada e outras provas. Onze casos devem ir para Curitiba.

“A medida é necessária porque, como na esfera civil não há previsão de foro por prerrogativa de função, as ações por improbidade são processadas e julgadas pela 1ª instância”, explica a PGR.

Entre os casos em que, além da esfera criminal, pode haver responsabilização no âmbito civil, estão o Inquérito 4074, envolvendo o senador Ciro Nogueira (PP/PI), o ex-presidente da UTC Engenharia Ricardo Pessoa, além de outras pessoas.

Também foi apresentada manifestação com o mesmo propósito em relação à investigação contra o deputado federal Aníbal Gomes (DEM/CE), a senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, o senador Valdir Raupp (MDB/RO), o deputado federal Vander Loubet (PT/MS) e o senador Fernando Collor (PTC/AL).

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 3 comentários
  1. Até que em fim. Já tinha perdido a esperança quanto a interpretação de que em caso aplicar-se-ia o fôro em função ao cargo. Parabéns, d.Raquel Dodge, crime de corrupção é na PRIMEIRA INSTÂNCIA.