PGR quer manter Gleisi no "quadrilhão do PT"

A Procuradoria-Geral da República defendeu no Supremo Tribunal Federal a manutenção da denúncia contra Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo no chamado quadrilhão do PT.

Parecer assinado pela nova chefe da Lava Jato Lindôra Araújo afirma que o processo no STF contra a presidente do PT não é impactado diretamente pela decisão do juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos que inocentou Lula, Dilma Rousseff, Guido Mantega, João Vaccari e Antonio Palocci por organização criminosa, atendendo a um pedido do próprio MPF, no ano passado.

Segundo a manifestação, “é dada a possibilidade de que sejam proferidas decisões contraditórias caso pessoas que tenham participado de um mesmo fato criminoso sejam, em decorrência da aplicação das regras de competência, processadas perante juízos distintos”.

COMO ELE VIROU O VICE QUE BOLSONARO QUER. Saiba mais

A PGR afirma que “a ocorrência de situações como essa, se não desejável, é consequência inevitável do desenho institucional do Poder Judiciário realizado pela Constituição Federal e pela legislação processual penal, conforme interpretadas por este STF.”

Gleisi pediu ao STF sua absolvição sumária após entendimento da Justiça Federal do DF e requereu uma manifestação da PGR sobre o processo.

A PGR afirma que  Gleisi e Paulo Bernardo “compõem apenas uma fração de um dos núcleos da organização criminosa, o político, do qual também eram integrantes os envolvidos ligados aos então denominados Partido Progressista e Partido do Movimento Democrático Brasileiro”.

Comentários

  • Belodi -

  • Jorge -

    Ladrões dos fundos de pensão e dos empréstimos dos aposentados.

  • angelo -

    No final o STL inocenta . Perda se tempo. Somos caso perdido.

Ler 16 comentários