PGR quer tirar do STF inquérito sobre compra de apoio a Dilma

Raquel Dodge pediu a Edson Fachin que o inquérito que apura suposta compra de apoio de cinco partidos (Pros, PRB, PC do B, PDT e PP) a Dilma Rousseff em 2014 seja enviado para a Justiça Federal em SP, informa o Estadão.

Assim, pode não tramitar mais no STF a investigação que envolve Marcos Pereira, Guido Mantega, Antonio Palocci, Edinho Silva, João Vaccari e João Santana, entre outros.

Marcos Pereira, que era o único dos investigados com foro privilegiado, deixou de tê-lo ao sair do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, no mês passado.

Descubra o plano secreto (e baixo) de Cuba para eleger o PT. Leia aqui

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Na minha opinião, isso é BOM. Pois o STF costuma sentar em cima de uma investigação até que prescreva. Ou seja, melhor que tramite mesmo em uma instância inferior e saiam sentenças condenatórias logo.

Ler mais 8 comentários
  1. Na minha opinião, isso é BOM. Pois o STF costuma sentar em cima de uma investigação até que prescreva. Ou seja, melhor que tramite mesmo em uma instância inferior e saiam sentenças condenatórias logo.

  2. Não vejo nenhuma mudança. Com ou sem foro o MPF paulista tem laços estranhos à justiça.
    Se não vejamos. Em Curitiba Lula foi condenado e pode ser preso (duvido) pelo apto do Guarujá e Vaccari já foi preso pela Lava Jato.
    Enquanto isso em São Paulo, o caso Bancop se arrasta nas mãos do MPF paulista, ninguém foi preso ou responsabilizado por lesar centenas de famílias que acreditaram nesse conto do vigário.
    A Justiça paulista é uma mãe com petistas e tucanos.
    Precisávamos de um Moro ou Bretas por aqui.