Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

PGR reitera pedido para anular delação de Sérgio Cabral

Supremo começa a julgar no dia 21 recurso contra homologação do acordo; PGR diz que ex-governador não apresentou provas
PGR reitera pedido para anular delação de Sérgio Cabral
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

A Procuradoria-Geral da República enviou hoje nova manifestação ao Supremo em defesa da anulação da delação premiada de Sérgio Cabral, o que arquivaria um novo anexo em que ele relata suposta venda de decisões por Dias Toffoli no TSE.

No documento, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, diz que o acordo não trouxe provas dos relatos do ex-governador do Rio de Janeiro.

O acordo foi homologado no ano passado por Edson Fachin, mas a PGR recorreu e, no próximo dia 21, o plenário do STF começa a julgar a validade da colaboração.

Humberto Jacques ainda diz que o acordo, fechado com a Polícia Federal, já havia sido rejeitado pelos procuradores da Lava Jato do Rio. O MPF é contra acordos feitos com a PF.

“Sérgio Cabral dá mostras de falta de boa-fé e de lealdade ao apresentar, mais de um ano após a homologação de seu acordo, novos relatos que a PF denominou de narrativas complementares. Para a PGR, o método adotado abre espaço para que o colaborador faça novas afirmações e acusações em momentos que julgar oportuno”, diz a PGR.

Como revelou nesta semana a Crusoé, Cabral disse na delação que Toffoli recebeu R$ 3 milhões em 2015 para reverter a cassação do prefeito Volta Redonda (RJ), Antônio Francisco Neto. Em 2014, teria recebido R$ 1 milhão para suspender a cassação da ex-prefeita de Bom Jesus de Itabapoana (RJ) Branca Motta. O ministro nega.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO