“Pimentel cobrou R$ 5 milhões em propina do grupo JHSF”

A mesma reportagem da Época, citando a delação de Bené, revela que Fernando Pimentel cobrou R$ 5 milhões em propina do grupo JHSF para entregar a operação do aeroporto Catarina, em São Caetano do Sul.

Segundo Bené, Pimentel atuou para “viabilizar financiamento do BNDES, a autorização da Secretaria de Aviação Civil e que os Correios passassem a usar o aeroporto”.

“O delator afirma que, de início, foi discutido colocar Fernando Pimentel como sócio oculto do aeroporto. Depois, acharam mais prático simplesmente cobrar R$ 5 milhões. A propina, segundo o delator, foi acertada no apartamento de Fernando Pimentel, em Brasília.”

O dinheiro foi negociado diretamente com José Auriemo Neto e um executivo chamado Humberto.

200