Planalto avalia deixar MP do coronavoucher caducar

Planalto avalia deixar MP do coronavoucher caducar
Foto: Reprodução/TV Brasil

O Planalto avalia a estratégia de não votar a medida provisória que estendeu o coronavoucher até dezembro, para evitar riscos no Congresso.

O Antagonista apurou que líderes governistas discutem o método. Seria preciso um acordo com Rodrigo Maia para não pautar a MP.

A estratégia é viável porque medidas provisórias têm validade de 120 dias. Como Jair Bolsonaro editou a MP na quinta-feira (3), o texto só caducará em 2021 –após o pagamento das quatro novas parcelas de R$ 300 do auxílio emergencial.

Dessa forma, o governo conseguiria evitar possíveis reveses no Congresso, uma vez que partidos de oposição e alguns de centro tentam aumentar o valor das parcelas para R$ 600.

 

Leia mais: Bolsopetismo pró-impunidade: a aliança para enterrar a proposta de prisão após condenação em segunda instância
Mais notícias
TOPO