Plano de trabalho da CPI da Covid prevê ouvir Guedes, Wajngarten e Pujol

Plano de trabalho da CPI da Covid prevê ouvir Guedes, Wajngarten e Pujol
Foto: Marcos Oliveira/ Agência Senado

Na minuta do trabalho da CPI da Covid estão listadas oitivas com ministro da Economia, Paulo Guedes; com o ex-chefe da Secom Fábio Wajngarten e com o comandante demissionário do Exército, general Edson Pujol.

Além deles, conforme já mostramos, os senadores querem convocar também o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello. Outras possíveis testemunhas são os representantes dos laboratórios Fiocruz e Butantan; das indústrias farmacêuticas Pfizer, AstraZeneca, Sputnik e Jansen, além de integrantes do segundo escalão do Ministério da Saúde.

A CPI também pretende convocar o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo; Bruno Funchal, secretário do Tesouro Nacional do Ministério da Economia e a Secretaria Nacional do Cadastro Único, Nilza Emy Yamazaki.

Os integrantes da CPI querem ouvir Guedes e integrantes do Ministério da Economia e da Cidadania para obter informações sobre o processo de elaboração do Auxílio Emergencial e como isso foi articulado com o Ministério da Saúde. Já Wajngarten será questionado pelo fato de ter endossado a divulgação do “tratamento precoce” (com pagamentos a influenciadores digitais) e de remédios sem comprovação científica.

 

Leia aqui a lista de oitivas sugeridas para a CPI da Covid

Isolamento social
– O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga;
– Ex-ministros Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello
– Ex-secretário do Ministério da Saúde Élcio Franco; a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro e o ex-assessor especial de Pazuello Airton Cascavel;

Vacinas
– Representantes dos laboratórios brasileiros (Fiocruz e Butantan);
– Representantes das indústrias farmacêuticas (Pfizer, AstraZeneca, Sputnik e Jansen);
– Ex-ministros da Saúde e ex-ocupantes de cargos de primeiro escalão no Ministério da Saúde;

Propaganda durante a pandemia
– Ex-chefe da Secom Fábio Wajngarten;

Auxílio Emergencial
– Ministro da Economia, Paulo Guedes;
– Bruno Funchal, secretário do Tesouro Nacional do Ministério da Economia;
– Secretaria Nacional do Cadastro Único, Nilza Emy Yamazaki.
– Deputado Daniel Freitas (PSL-SC), relator da PEC Emergencial na Câmara;

Atuação internacional
– Ex-chanceler Ernesto Araujo;
– Otávio Brandelli, embaixador e secretário-geral do Itamaraty;
– Almirante Flávio Rocha, secretário especial da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República;

Colapso de Manaus e emprego de verbas públicas
– Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
– David Almeida, prefeito de Manaus;
– Marcellus Campelo, secretário de Saúde do Amazonas;
– Francisco Ferreira Filho, coordenador do comitê de crise do Amazonas;
– Mayra Isabel Correia, Luiz Otávio Franco e Hélio Angotti Neto, que ocuparam cargos de secretários do Ministério da Saúde;
– Representante da White Martins

Aquisição de medicamentos sem comprovação científica
– Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
– General Edson Pujol, do Exército.

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO