Polícia Legislativa diz que recepcionista registrou Adélio por engano e vai arquivar investigação

Telegram

O diretor da Polícia Legislativa da Câmara, Paul Pierre Deeter, disse à Folha que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira na Câmara, no dia 6 de setembro.

Deeter afirmou que o funcionário, que não teve o nome divulgado, foi consultar no sistema eventual entrada de Bispo na Câmara, quatro horas após o esfaqueamento, e por engano registrou a entrada.

“O Adélio já estava preso nesse momento em Minas. Foi apenas um erro do recepcionista, que foi ouvido, mas não houve má fé ou qualquer outra situação que estão falando por aí”, afirmou o diretor. Ele disse que a investigação será arquivada.

O Antagonista revelou mais cedo que a Polícia Legislativa havia aberto uma investigação interna ao constatar registros de duas entradas de Adélio na Câmara no dia do atentado. Deeter pediu à Mesa Diretora decretação de sigilo.

O Antagonista também revelou dias atrás que Adélio esteve na Câmara em 2013, mas a Polícia Legislativa não soube dizer qual gabinete ele visitou.

Comentários

  • Allejo -

    Quem paga os advogados de Adélio?

  • Wilson -

    Eu desde o atentado estou dizendo que o atentado não poderia ter ocorrido sem conhecimento de policiais e ainda sem participaçao de policiais dando cobertura.

  • Rubens -

    E os advogados do Bolsonaro não vão entrar com um representação?

Ler 472 comentários