Por crédito de ICMS, JBS pagou propina a Silval Barbosa e secretário

Silval Barbosa e seu grupo político, incluído o secretário Pedro Nadaf, embolsaram aproximadamente R$ 40 milhões em propina da JBS, em troca de benefícios fiscais para os frigoríficos do grupo.

Os pagamentos seguiram o mesmo esquema: notas frias emitidas por serviços não prestados e remessas em dinheiro vivo.