Temer, a testemunha

Eduardo Cunha arrolou Michel Temer como sua testemunha para que ele diga quem foi o padrinho político de Jorge Zelada, nomeado para a Diretoria Internacional da Petrobras para fazer as negociatas do PMDB.

Temer não vai poder acusar Cunha, nem assumir a paternidade da indicação. O jeito será jogar a responsabilidade no deputado falecido Fernando Diniz.

Morto não fala.

Faça o primeiro comentário