ACESSE

Por que a presunção de inocência não é princípio absoluto

Telegram

A nota técnica assinada por milhares de procuradores e juízes é didática: se a presunção de inocência fosse princípio de valor absoluto que impede a execução de pena de condenados em segunda instância, prisões temporárias ou preventivas também seriam inconstitucionais. Até mesmo produzir legalmente provas numa ação seria contrário à Constituição.

Mais: o princípio que vigora em processos já julgados em primeira instância é o da eventual não-culpabilidade do réu, coisa muito diferente da completa presunção de inocência. Com a sentença confirmada em segunda instância, se considerado culpado, o réu não poderá reverter a sua pena, porque nos tribunais superiores não se discute o mérito da condenação criminal,  mas questōes de Direito — é o que a defesa de Lula também tentará mudar, para beneficiar o petista. O trânsito em julgado, assim, tal como previsto na Constituição, se completa efetivamente na segunda instância.

O que estará em julgamento no dia 4, portanto, ultrapassa Lula e a Lava Jato. É a própria capacidade da Justiça brasileira de processar e punir criminosos do colarinho branco a pedófilos — capacidade que fundamenta o Estado de Direito.

Comentários

  • Rambo -

    Falou os arautos da galasequisse.

  • Alberto -

    REINALDO AZEVEDO DISCORDA! ALIÁS SÓ CONCORDA COM O QUE BENEFICIA LADRÕES. SUJEITO CAFAJESTE!

  • CHEGA! -

    Amanhã às 18:00 estaremos demonstrando ao STF que o povo brasileiro não aceitará a mutreta que está sendo desenhada para o dia 04.

Ler 51 comentários