Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"Por que uma empresa tão grande faria algo inábil?"

Uma das quatro empresas investigadas na 70ª fase da Operação Lava Jato é a Maersk, gigante dinamarquesa que presta serviços de navegação marítima.

Segundo o promotor Marcelo Ribeiro, a investigação deu conta da participação da Maersk no esquema quando ela contratou um broker (intermediário) inexperiente para atuar no Brasil.

“A gente conseguiu verificar que a Maersk optou por contratar um broker totalmente inexperiente, sem qualquer vínculo prévio com a atuação do setor. Por que uma empresa tão grande faria algo inábil?”

E acrescentou:

“Um dos anexos da colaboração de Paulo Roberto Costa mostra a parceria que ele tinha com esse corretor, por assim dizer, da Maersk, e que ele recebia a comissão –que, em tese, seria legítima pelo trabalho– e a dividia com Paulo Roberto Costa, que fornecia informações privilegiadas.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO