Posse de Bolsonaro no Congresso poderá receber até 2.000 pessoas

A posse de Jair Bolsonaro em 1º de janeiro, sob forte esquema de segurança na Esplanada dos Ministérios, será feita em quatro etapas.

A cerimônia começará com um culto ecumênico na Catedral de Brasília, à tarde. De lá, Bolsonaro deve desfilar ao lado da futura primeira-dama, Michelle, em um veículo que vai levá-lo até o Congresso, onde ele tomará posse como presidente.

Na sequência, ele segue para o Planalto e, à noite, haverá um coquetel no Palácio do Itamaraty.

Para o Congresso, a previsão é que, ao todo, sejam convidadas 2.000 pessoas. A cerimônia incluirá deputados, senadores, ex-parlamentares e os eleitos para o Legislativo em outubro –que só tomam posse em fevereiro.

2019 não será um ano para amadores. Conte com a ajuda de especialistas para chegar são e salvo a 2020 AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 41 comentários
  1. A Maior Qudrilha do Uniniverso vai comparecer? O Poderoso Chefão Nove Dedos está preso, os Capangas, vermes tesoureiros presos, falta milhares desta máfia presos. Caso apareçam pipoco neles.

  2. Diz a Rádio Corredor que o chefe do PRTB, Levy Fidélix, pretendia lotar seu “aerotrem” de convidados para a posse de Bolsonaro. Mas, com tantos cortes efetuados, sobrou lugar no seu chevette!!!

    1. A partir de agora o povo sofrido terá a oportunidade de trabalhar , com emprego , e poderá acrescentar uma verdura e carne ao prato, a verdura poderá vir do plantio em seu quintal, cada um a sua ca

    2. Pode até ser, mas o arroz e feijão requentados põe na conta do PT que deixou mais de 12 milhões desempregados. O teu chefe tá preso, babaca

    1. Como em todas as cerimônias de posse. Isso não é privilégio desse governo. O teu problema é que você é mal intencionado e não quer aceitar a derrota do teu candidato e fica falando bobagem

  3. Tem presenças que são meramente protocolares e ruins de aturar, como alguns parlamentares eleitos, reeleitos, ou que não foram eleitos. Sem contar alguns ministros. Paciência, capitão.