Poupe-se, Lasier

Lasier Martins, que votará pelo impeachment de Dilma, entregou hoje, na sede do PDT, em Brasília, sua defesa ao pedido de expulsão feito pelo presidente do partido, Carlos Lupi.

Não gaste energia, senador.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;

Ler 28 comentários
  1. Só impediram a posse de Lula na Casa Civil por que ficaria claro e vergonhoso demais a subordinação do STF e PGR ao PT, depois que o áudio da conversa com Dilma foi divulgada. Agora dão ao vagabundo o foro que ele queria. José Nêumane Pinto tem razão.

  2. Já seria de bom tamanho se o STF (Teori Zavascki) abrisse os montes de inquéritos que lá estão parados sem justificativa, fazendo com que muitos tenham prescrição. Também seria importante que os ministros do Supremo publiquem os acórdãos com mais celeridade. Segundo consta, hoje a demora média é de um ano (para Celso de Mello, 2 anos). A vaidade e a prepotência desses senhores envergonha o país e gera a constatação de impunidade no Brasil. A pressão popular tem que ser em cima deles, para evitar que a vergonha do que fizeram no Mensalão se repita no Petrolão. Bora lá, STF!!!!

  3. Que vergonha onde nós chegamos. Já vejo os pedidos do tipo “Ei você aí do município, você mesmo! Prefeito! Você que fez parte da base aliada do governo, você que tem, talvez, alguma chance de reeleição. Guarde uma secretaria aí para a Dilma viu! E la estará precisando desesperadamente. Sei que ela é intratável mas talvez agora você possa ir a forra. Aceita-se qualquer posição que tenha foro com prerrogativa de função.”

  4. – Desconfio seriamente que o Janot e a quadrilha da toga estão armando. Indiciam todos com foro privilegiado AGORA, pra depois alegarem que como tinham começado a investigação continuariam com o STF e não desceria pro Moro, mesmo argumento usado para jogar o Ladrão Mor pro Moro. E quem julgaria isto ? A quadrilha da toga. –

  5. “Que país é este?” – relembrando Francelino Pereira, que mais tarde a Legião Urbana eternizou na musica que todos conhecemos e Renato Duque exclamou com a polícia federal na sua porta. Sim é o país que acordou, passou ter consciência de si mesmo. Passou a ser um organismo vivo consciente, que resolveu extirpar um câncer que tinha se espalhado pelo organismo e quase o matou.

  6. O Povo Brasileiro não permitirá que acovardados protejam bandidos. O Povo Brasileiro exige Justiça imediata, e não hipocrisia! Vocês têm obrigação de fazer o certo: mandar todos esses bandidos para a cadeia porque Nós, o Povo Brasileiro estamos mandando vocês fazerem isso, porque somos Nós que pagamos o salário que vocês não merecem! Os maus juízes serão impichados!

  7. É preciso repensar a nossa república. Precisamos torná-la invulnerável a assaltos banais. Um golpe muito bobo pode ganhar e destruir o Brasil. Como disse Gramsci: “Meu estado de espírito sintetiza estes dois sentimentos [otimismo e pessimismo] e os supera: sou pessimista coma a inteligência, mas otimista com a vontade. Em cada circunstância penso na hipótese pior, para pôr em movimento todas as reservas de vontade e ser capaz de abater o obstáculo”, aqui bem representado pelo esquerdismo populista, capitaneado pelo honestíssimo encantador de papagaios vermelhos. Pra frente. Brasil! Ou não?

  8. A solução é uma campanha a nível nacional, exigindo da “corte acovardada”, segundo Lula da Silva, agilidade no processamento dos envolvidos no QUADRILHÃO. O Brasil não pode ficar à espera da boa vontade daqueles que recebem dos cofre públicos para trabalhar em prol da nação e não de interesses de meliantes e de partidos políticos, envolvidos no CRIME CONTRA A HUMANIDADE, que é a corrupção que suga recursos destinados ao POVO.

  9. Lembrete: no programa Roda Viva, o ministro Gilmar Mendes defendeu o STF da demora para dar autorização para investigar e tb, para julgar os mesmos. Alegou que depende da PGR para agir… Bom, agora não tem mais subterfúgios…como exemplo, não dá para esperar mais de 5 anos para analizar e colocar em julgamento uma ADIN (não é ministra Rosa Weber?).

  10. Pergunta: Porque será que todo investigado “prefere” o STF? Resposta: Não é pela bondade dos ministros, mas pela falta de celeridade processual = perda de prazo para punir.

  11. [ Marcelo da Suécia 1 hora atrás ] Pelo que entendi, o PGR misturou todo mundo num grande caldeirão – os que têm e manterão foro com aqueles que o perderão em breve -, dificultando ou retardando o desmembramento do enorme processo para o Moro. Daí que a tendência é todos ficarem juntos e impunes, porque o STF é o que é: um tapetão sob o qual escondem-se os colarinhos brancos de sempre.

  12. Apenas 69 pessoas ! Deveriam encher as arenas da propina da Fifa! Agora é esperar pela prescrição ou pelas penas brandas do STF ! Enquanto isso vamos assistir ao desfile da tocha da corrupção pelo país !

  13. Não entendi o raciocínio, Antagonistas. Afinal, em breve a turma TODA perderá os mandatos e os privilégios. Antes do fim do ano, tudo descerá para o Super Moro…. Ou existe algo que eu não estou vendo?

  14. No presente a imprensa esta a falar: Dilma isso, Dilma aquilo o tempo todo. Em breve será Temer isso, Temer aquilo! Sempre há a chance de esquecimento e sentarem em cima dos processos no STF. E CADE A DENUNCIA DO RENAN? Tem coisa muito podre ainda nos Planos desse STF VERMELHO e da Vovo MaFALDA Enganot!!! Antagonista encarecidamente : Pressão Máxima pra cima do Renan C@lhorda!!!

  15. Em alguns casos ele terá “foro privilegiado” e na absoluta maioria, NÃO. JUSTIFICO: com a perda de mandato, Delcídio do Amaral se tornará cidadão comum, portanto, “sem foro privilegiado”, aí grande parte das delações do ex-senador ficará na 13ª Vara de Curitiba, com dr. Sérgio Moro. Muito antes do julgamento do STF envolvendo Lula à políticos, ele já estará cumprindo penas na prisão, antecipadamente, determinada pela Justiça do Parana.

  16. Nunca tive dúvidas de que isso aconteceria ! As pessoas DE BEM demoram a acreditar que vivemos, sim, na Repúplica de Bananas. Não somos suécia, dinamarca, etc etc. Somos um país de privilegiados cujos governos administram os privilégios e quem trabalha de verdade paga a conta.