Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Precisa apresenta perícia que responsabiliza empresa de Dubai por procuração falsa

Alvo de investigação na Índia por fraude na venda de testes de Covid, Envixia atuou como intermediária entre Precisa e Bharat Biotech, fabricante da Covaxin
Precisa apresenta perícia que responsabiliza empresa de Dubai por procuração falsa
Foto: Pedro França/Agência Senado

Perícia encomendada pela defesa da Precisa Medicamentos indica que a adulteração na procuração apresentada pela farmacêutica ao Ministério da Saúde teria sido feita pelo empresário indiano Anudesh Goyal, dono da Envixia Pharmaceuticals LLC, sediada em Dubai (EAU).

O documento, encaminhado à CPI da Covid, à CGU e à Polícia Federal, foi elaborado pelo perito forense digital Lorenzo Parodi, inscrito na Justiça Federal de São Paulo.

“Analisando os metadados do arquivo acima, extraídos utilizando ferramenta forense apropriada (detalhes relevantes na Fig. 01), observamos o seguinte: o autor do documento é identificado como sendo ‘goyal_anudesh’. O documento foi criado no dia 24/02/2021 às 07:01:20 (sete horas, um minuto e vinte segundos) no horário CET, que correspondem às 12:31:20 horas no horário da Índia e às 03:01:20 horas no horário de Brasília, sempre no mesmo dia 24/02/2021”, escreve Parodi.

Segundo ele, “o documento foi de alguma maneira alterado pela última vez (o que pode representar uma qualquer alteração interna, por menor que seja, como por exemplo a atualização do nome do autor ou um ajuste na qualidade gráfica), no dia 25/02/2021 às 01:09:33”.

A Envixia, que é alvo de investigação na Índia por fraude na venda de testes de Covid, teria atuado como intermediária entre a Precisa e a farmacêutica Bharat Biotech, que produz a Covaxin.

Ontem, em coletiva de imprensa, Wagner Rosário disse que a auditoria feita pela CGU no contrato da Precisa confirmou que é falsa a procuração apresentada ao Ministério da Saúde, para confirmar os poderes de representação da empresa na venda da vacina. Os advogados da Precisa alegam que a companhia foi ludibriada e dizem que vão processar a Envixia.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO