ACESSE

“Precisamos de alguém engajado na agenda técnica e na guerra cultural”

Telegram

O convite de Jair Bolsonaro para Renato Feder assumir o Ministério da Educação, como registramos, incomodou o bolsonarismo-raiz, que começou a se movimentar para convencer o presidente a escolher outra pessoa.

Para o deputado Carlos Jordy, vice-líder do governo, há no MEC nomes mais adequados para chefiar a pasta. Ele disse ao Congresso em Foco:

“Não é o melhor nome. Tínhamos nomes muito melhores e que inclusive já trabalhavam na gestão Weintraub. Precisamos de alguém engajado na agenda técnica e na guerra cultural. Ainda não estive com o ministro e não o conheço bem, espero que ele aceite nossas sugestões e não seja um tecnocrata que dispensa a guerra cultural, permitindo que a agenda esquerdista e globalista prevaleça no MEC.”

Leia mais: A receita lulista seguida à risca por Bolsonaro. Clique para ler na ÍNTEGRA

Comentários

  • Astrid -

    Guerra ???? Meu Deus

  • Alexandre -

    Educação está um porcaria justamente por conta do mesmo tipo de pensamento nos últimos 18 anos.... é preciso quebrar isso. Nossos índices falam sozinhos

  • Alan -

    Renato Feder, continua com secretário da Educação do Paraná, não entra nesta barca furada, você só vai queimar seu currículo.

Ler 32 comentários