ACESSE

Presidente da Alesp vê ação de 'black blocs' e defende PM

Telegram

O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Cauê Macris, afirmou que um grupo de black blocs participou da depredação da sede da Alesp nesta terça (3), durante a votação da reforma da Previdência estadual, informa Fabio Leite na Crusoé.

O tucano defendeu a ação da PM, que usou spray de pimenta nos corredores da Assembleia, além de balas de borracha e bombas de efeito moral do lado de fora do prédio, para dispersar os manifestantes.

Macris disse ainda que. na véspera da votação, o comando de segurança da Alesp já havia identificado que um grupo de “delinquentes” tentaria provocar tumulto para impedir a votação do projeto enviado pelo governo João Doria.

Durante a confusão dentro da Assembleia, portas de vidro e de madeira foram quebradas, cadeiras, totens e esculturas foram arremessadas, tubulações e fiações foram arrancadas e paredes foram pichadas.

Segundo o presidente da Casa, 19 vândalos já foram identificados e serão cobrados pelos danos.

Leia também: Quem ganha com os arroubos de Bolsonaro?

Comentários

  • Célia -

    Pois é, quando é para tirar dinheiro do funcionário público ( professor , por exemplo ) é rapidinho. Já ganham uma merda e com o desconto de 11 para 14% o miserê aumenta, não é mesmo Doriana?

  • Inacio -

    Sr tivessem atacado o PORTA DOS FUNDOS já estariam sendo procurados pela Interpol

  • Antonio -

    O senador do Ceará acabava com essa palhaçada, literalmente passando por cima.

Ler 17 comentários