ACESSE

Previdência: presidente do PP quer que partido feche questão

Telegram

Ciro Nogueira, presidente do PP, divulgou nota sobre fechamento de questão em relação à reforma da Previdência.

Escreveu o senador:

“O Progressistas esclarece que aguarda a decisão do governo de pautar o texto para votação no plenário da Câmara do Deputados. Após definição do governo, a Presidência do partido irá reunir a bancada para defender fechamento de questão para votação da reforma, cuja aprovação é imprescindível para o país.”

O PP, agora Progressistas, tem 46 deputados.

Leia também:

Previdência: PMDB acionará executiva para fechar questão

Comentários

  • Mario -

    A reforma da previdência tem que ser e aprovada neste ano, sendo que, a partir do ano que vem os parlamentares vão para suas bases eleitorais para fazer campanha e, nenhum parlamentar vai levantar esta bandeira da "reforma da previdência", caso discursar ninguém vai acreditar, principalmente os que tenha um pouco de conhecimento.

  • Celino -

    HOLOCAUSTO BRASILEIRO Triste dia para o Brasil, vai passar em branco para a população, em manobra do governo para não criar pânico. A corte dos EUA autorizou abertura de processos contra a Petrobras, que arruinou fundos de pensões devido à quebra da empresa pela corrupção e má administração. No Brasil gerou um rombo de US$28bi, perto R$130bi e condenou a Petrobras a dívidas que chegam a R$600 bi. Com os processos, as indenizações podem chegar na casa dos R$1,5trilhão. Mais recessão e crise e quem vai pagar a conta será a população. Para quitar o rombo e aumentar arrecadação, penalizando quem produz, extorquindo o trabalhador e empobrecendo o país. Para cobrir esse rombo irão usar dinheiro da Previdência com essa reforma que, praticamente, extingue a aposentadoria. Marcus Lima: Band News

  • The -

    Concordo com o leitor "pedra" (12:55). Estão jogando no colo da esquerda um presente extraordinário. A demagogia vai comer solta em 2018. A esquerda, que podia ser facilmente acuada por causa do assalto ao Estado, passará à ofensiva pelos "direitos dos trabalhadores". Podiam ter trabalhado com temas sem grande apelo popular, mas essenciais, como reforma fiscal, tributária, melhoria do ambiente de negócios. Mas não... Tinham de dar munição à esquerda. Tinham de propor as reformas trabalhista e previdenciária. Se há gente pagando por isso, digo, pagando os parlamentares, é gente burra, sem inteligência estratégica, tanto quanto os próprios políticos.

Ler 18 comentários