A primeira mulher na equipe de transição

O Globo registra que uma coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal é a primeira mulher nomeada para o grupo de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro.

“Márcia Amarílio da Cunha Silva já participa das reuniões no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde se reúne a equipe, e sua nomeação deve ser publicada nos próximos dias.

Márcia Silva é assessora parlamentar do Conselho de Corpos de Bombeiros. Ela é especialista em segurança pública e chegou ao time de Bolsonaro por meio de um grupo formado por generais da reserva, comandado por Augusto Heleno, indicado como ministro da Defesa.”

A grande imprensa está, é claro, atrasada no episódio do convite de Bolsonaro a Sergio Moro... LEIA AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 21 comentários
  1. Prefiro um governo só de homens competentes do q estas tais cotas femininas, negras,veados e mimimi. Até hoje só tivemos mulheres incompetentes e chatas no governo,sou mulher,pronto falei !

  2. Porque tem q ter mulheres, eu como mulher até hoje não achei uma competente,Raquel Dodge cita cora Carolina,a outra cita Clarisse Lispector, me dá nojo estas mulheres,mil vezes um governo competent

  3. Engraçado a hipocrisia desses pessoal, não fizeram “festa” pelo resultado da Joice Hasselmann, Janaina Paschoal e nem para o Hélio Bolsonaro, e agora ficam com esse mimimi de esquerda.

  4. Já notaram que a Globo faz questão de noticiar em seu site, jornal e TV que não tem mulher na equipe de Bolsonaro? Então, deveriam também noticiar que não tem mulato, GLBT, índio, chinês, ping

  5. Nem Jair Bolsonaro nem a equipe dele sentiram a necessidade de exaltar o fato de uma mulher ser, obviamente, uma mulher. O pensamento de cotas não encaixa no projeto técnico e conservador.

  6. O importante é a formação, competência, eficiência. O resto, é resto quando se fala no País: cor, credo religioso, preferências sexuais, gênero. As coisas estão mudando para igualdade pelo

    1. Nem se não nomeasse seria misógino. Ela deve ter ido por critérios de alinhamento ideológico, técnico, e programático.