A prioridade de Marina Silva

André Lara Resende e Eduardo Giannetti, coordenadores de economia de Marina Silva, deram uma entrevista ao Valor.

Eles disseram que a pré-candidata da Rede encara a reforma política como prioridade, com foco no fim da reeleição e em eleições legislativas separadas dos pleitos para o Executivo, como na França.

“A questão dominante hoje no Brasil é a política, o guarda-chuva de todos as outras”, afirmou Lara Resende.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 31 comentários
  1. Kkkk ainda bem que esta Marina louca eco-terro.rista está na rabeira das preferências eleitorais! Alguém diga para ela e os seus apoiadores que ela coitada não tem felizmente a menor chance! Esqueçam dela!

  2. Gente vade retro, acreditem em mim, trabalhei em Brasília e sei, pude ver de perti como pode ser louca e radical esta eco-terrorista travestida de Biblia e de boazinha!!!! Ela é comunista, está na mão das ONGs internacionais e vai acabar com o agronegócio, que é o setor mais importante e alavanca a economia brasileira!!! E uma mulher doente fisica e mentalmente, o Brasil não merece isto!!!!!

  3. Eu não gosto da Marina e nunca votaria nela, mas ela tem razão. Muitos aqui não entenderam nada. O que ela quer é acabar com o fisiologismo no Congresso. Não dá para governar com mais de 30 partidos que só querem o toma lá, dá cá. Os partidos nanicos, inclusive o dela se vendem por qualquer coisa. Precisamos de várias reformas, como a previdenciária, fiscal, etc

  4. A prioridade de MARINA SILVA É DESTRUIR O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO uma vez que representa as ONGs INTERNACIONAIS.

    COMO FARÁ ISTO? DE FORMA DISFARÇADA DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE ATÉ
    QUE NINGUÉM TENHA MAIS CONDIÇÕES DE OPERAR.

    1. Marina Presidente! Tem meu voto. Melhor candidata disparado. Quem acha que ela não tem chanice, está tedondamente enganado. É honesta, tem conteudo e classe, não está fazendo campanha com difamação e calunia. Foi a melhor na entrevista da Jovem Pan. Não adianta virem com rótulos, ela tem dignidade de sobra, o que falta aos demais. O que estão propondo, reforma política, é crucial! Só se dizer honesto, levantar a bandeira da ética, não transformará a política brasileira. Salve MARINA, estou contigo sempre!

    2. Marina Presidente! Tem meu voto. Melhor candidata disparado. Quem acha que ela não tem chance, está tedondamente enganado. É honesta, tem conteudo e classe, não está fazendo campanha com difamação e calunia. Foi a melhor na entrevista da Jovem Pan. Não adianta virem com rótulos, ela tem dignidade de sobra, o que falta aos demais. O que estão propondo, reforma política, é crucial! Só se dizer honesto, levantar a bandeira da ética, não transformará a política brasileira. Salve MARINA, estou contigo sempre!

  5. A Marina Herpes vai tomar outra sova nas urnas.
    Avisem essa retardada de esquerda que ninguém mais quer saber de comunista bolivariano no comando do país.
    CHEGOU A HORA DA DIREITA COLOCAR ORDEM NESSA ZBM CHAMADA BRASIL.
    BOLSONARO PRESIDENTE.

  6. Reforma política tem que ser feita, mas nunca passa para vigorar imediatamente, daí essa reforma tem que ser feita sim, mas para vigorar de 10 a 08 anos pra frente.
    Precisamos de reforma tributária e previdenciária só não passa nada.

  7. Vai querer começar o mandato se desgastando com o CN, ainda mais com uma PEC que necessita de 3/5, em dois turnos, de aprovação nas duas casas???

    Kkkkkkk… é ver para crer

  8. E aí André Lara Resende? Vai ajudar a economia crescer, as empresas a lucrarem, a todo mundo ganhar dinheiro no país? Ou vai socializar sua coleção milionária de Porsches com a gente? To de olho naquele 904.

  9. Qualquer reforma política só terá algum efeito no país daqui a 2 ou 4 anos.
    Tem muita coisa pra fazer na economia antes, coisas bem mais urgentes.
    A reforma política deve ser feita em meio às outras

    1. Sim, se morássemos no mesmo planeta da lagartixa falante. Como moramos na Terra, devemos debater os mesmos temas das nações mais ricas do Ocidente: como manter competitiva e inovadora nossa economia frente à ameaça China.