Procurador-geral nega ter recuado sobre inquérito de Alckmin

Gianpaolo Smanio, o procurador-geral de Justiça de São Paulo, falou ao Estadão e disse que não recuou ao manter na Promotoria do Patrimônio Público o inquérito sobre Geraldo Alckmin.

Nesse caso, o governador tucano é acusado de ter recebido R$ 10,3 milhões da Odebrecht, via caixa dois, nas suas campanhas de 2010 e 2014.

“Não estou recuando. Chamei os autos para decidir sobre a competência da investigação. E decidi”, declarou Smanio.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. jander disse:

    Alckmin é inocente, homem honesto e que ainda tem muito a contribuir para o país

Ler comentários
  1. Ali Mendes disse:

    Sou uma pessoa esclarecida e que acompanha os principais acontecimentos no País. Dito isso, acredito que não houve recuo e que Alckmin não está envolvido nesse escândalo.

  2. Nina disse:

    Ele não recuou. Só foi estudar a lei e viu que tinha errado feio (em outras palavras, não conseguiu enganar ninguém). 😆😆😆

  3. Mendes André disse:

    Á NEGATIVA,TEM QUE SER COM "VEEMÊNCIA ",SE NÃO INVALIDA O ATO. PEDIU PINICO,NO POPULAR ?

  4. Ita disse:

    Notícias do Estado de São Paulo continuarão a chegar. Mas é dos outros Estados? Como acompanharmos tantos inquéritos?

  5. Luciano disse:

    Uai.... ta cheirando Pizza isso???? ou ja é pronta?

  6. roberto disse:

    Em português bem claro: AFINOU, PEDIU ARREGO. Parece que a blindagem de titânio do PSDB em São Paulo patrocinada pelo judiciário começa a dar "fadiga de material". Devem ser os ares que sopram no planalto paulista vindos do mar, terra e ar.

    1. Se a Lava Jato fosse independente de Gilmar, Toffoli, Ricardo, Marco Aurélio, teríamos mais cadeias cheias......cheias de bandidos perigosíssimos. O que precisa mesmo é acabar com esses sujeitos serem indicados por governos.... pois o que eles são na verdade é defensores de cada governo. Vendem a alma pra terem o cargo.

  7. É diferente disse:

    Ele não recuou, ele só desfez o que havia feito. Entenderam?