Proibição das conduções coercitivas 'incentiva a impunidade', diz promotor

A proibição das conduções coercitivas pelo Supremo Tribunal Federal incentiva à impunidade, no entender do promotor de Justiça do Distrito Federal Renato Varalda.

“[A decisão] foi um retrocesso e incentiva à impunidade em um país marcado por violência diária e corrupção.”

Para o promotor — porta-voz do grupo que foi ao STF em abril pedir a manutenção da prisão na segunda instância –, “a interpretação da Constituição se faz por meio da ponderação de valores e cabe, sim, ao STF dar prevalência a princípios que salvaguardem o cidadão de uma vida digna”.

“Como todos os princípios constitucionais são relativos, a segurança e o direito à vida preponderam sobre a presunção de inocência.”

Varalda lembra que o próprio Código de Processo Penal previa a condução coercitiva “para dar eficácia à verdade real durante a busca das provas”.

“Além disso, a condução coercitiva não viola o direito a não auto-incriminação, diante da possibilidade de permanecer calado ou negar os fatos ilícitos imputados.”

Comentários

  • Míriam -

    Para o STF o cidadão comum que, aliás, paga os salários dos ministros e servidores não merece o mesmo apreço que os gatunos de dinheiro público

  • O -

    não mexam nos benefícios que eu libero a corrupção

  • analu -

    Fica cada dia mais claro que meia dúzia de ministros do STF advoga para bandidos. Simples assim.

Ler 28 comentários