Promotor diz que habeas corpus 'virou um instituto prostituído'

No fórum promovido pelo Estadão, Marcelo Mendroni, promotor do Ministério Público de São Paulo, disse também que se incomoda com o número de habeas corpus.

“Houve um exagero, virou um instituto prostituído. A gente tem que usar o habeas corpus quando alguém vai preso e não cometeu o crime. Principalmente o de ofício. Essa é uma situação que me incomoda sobremaneira. Pacotes de medidas legais que venham a gerar uma punição efetiva para os corruptos seriais e também medidas que possam ajudar na prevenção aí no médio e longo prazo serão sempre bem-vindas.”

Sobre a farsa petista de insistir no discurso da candidatura de Lula, o promotor aproveitou para afirmar que “seria imoral um condenado por corrupção virar representante da população”.

Leia também:

“Alguns ministros do STF se consideram acima da lei”

Promotor rebate advogado de Temer: “Prisão faz com que cesse a prática do crime”

Comentários

  • walter -

    O habeas corpus no jargão jurídico é chamado de remédio heroico. Só se deveria recorrer a ele em casos extremos, e não pela banalidade dos defensores da boçalidade.

  • aparecido -

    Não é o HC.. é o direito brasileiro que está prostituido....junto com a prostituta cidadã de 88....precisamos renovar tudo issso ... pra já.....a constituição de 88 é uma prostituta que só privilegia os filhos do estado....

  • Marco -

    O exemplo mais bem-acabado do que foi dito: ZÉDIRÇA É O TROFÉU DO TÓFOLI E VICE-VERSA!

Ler 17 comentários