Propina no claro, propina no escuro

A Lava Jato investiga Edison Lobão e Cândido Vaccarezza por cobrança de propinas nos contratos de transporte de óleo cru e produtos claros e escuros da Petrobras.

Segundo os investigadores, o esquema teria sido operado para o PT por Vaccarezza, auxiliado por Jorge Luz e Fernando Baiano. No caso do PMDB, Lobão seria o responsável, com apoio de Carlos Murilo Barbosa Lima – citado no mensalão.

A propina, segundo fontes do MPF, chegou a R$ 6 milhões por mês.

Faça o primeiro comentário