Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

PSD e Podemos viram o fiel da balança da PEC dos Precatórios

Os dois partidos têm aproximadamente 20 parlamentares. Para que o texto seja aprovado pelo Senado, é necessário o apoio de 49 senadores
PSD e Podemos viram o fiel da balança da PEC dos Precatórios
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Para conseguir pelo menos 49 votos necessários para aprovar a PEC dos Precatórios no Senado, o Palácio do Planalto tenta convencer senadores das bancadas de Podemos e PSD a apoiar o texto que institui uma gambiarra fiscal para custear o programa Auxílio Brasil.

O relator da PEC e líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), porém, tem dito a aliados que é uma missão quase impossível, já que as duas bancadas têm interesses distintos.

O PSD com 12 senadores exigiu que o governo tire os precatórios do Fundef do teto de gastos para apoiar a PEC. Na segunda-feira, Bezerra terá uma outra reunião com a bancada do PSD no Senado para tentar convencer o partido a fechar questão a favor da PEC.

O foco de resistência no PSD é puxado, principalmente, pelo presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (AM). Apesar de ser a favor do Auxílio Brasil, Aziz (foto) tem pressionado o partido a pedir mais tempo para fazer um pente fino nas emendas apresentadas pelo governo.

Já o Podemos, com outros nove, não concorda com a proposta do PSD, já que ela representaria um novo furo no teto de gastos. O Podemos já fechou questão contra a PEC e tem dito que votará em bloco, caso o governo insista em medidas que extrapolem o teto de gastos públicos.

Nas contas do governo, até 52 senadores podem votar a favor da PEC. Mas eles contam com pelo menos dois votos no Podemos e outros 8 no PSD.

Mais notícias
TOPO