Quando o salário passa a ser bico

Ainda sobre palestras remuneradas de ministros de tribunais superiores, a coisa adquiriu tal dimensão que o salário oficial passou a ser bico.

Uma fonte disse a O Antagonista que tem ministro ganhando até 150 mil reais por palestra.

Aliás, alguém já perguntou por que as sessões de julgamento não são mais frequentes?

38 comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200

  1. Por isso que eu acredito que a contrapartida de absolvições e arquivamentos não se dá necessariamente com propina. Lula já demonstrou que há maneiras sutis de recebimento de propina que até o cínico do Joaquim Barbosa reconhece como “idôneas”. Seria bom sabermos quem contrata os “préstimos” dos Ministros.

  2. Não surpreende que as ações- e mesmo a aceitação de denúncias – no STF levem uma eternidade, em detrimento do interesse público. Enquanto isso, trava-se, no país, uma verdadeira guerra civil, onde nós, os contribuintes otarios somos os alvos, sempre.

  3. Na crise os aproveitadores da nação ganham, e o povo, coitado do povo:
    – desemprego
    – falta de atendimento nos Postos de Saúde semi-destruídos
    – transporte caro e de péssima qualidade com estupradores ejaculando no pescoço
    – faculdades sem papel higiênico e banheiros sujos
    – impostos escorchantes
    – policial morrendo como moscas no prato de veneno,
    e os “ministros” passeando pela Europa com dinheiro público e ganhando diárias extras, e milhares de processos de corruptos engavetados.
    – Mas, HC de soltura de comparsas saem no mesmo dia.

  4. Porque será que no Poder Judiciário há tanto retrabalho?
    Algumas instituições até dizem que realizam planejamento estratégico, definem metas de desempenho e controlam tudo por indicadores. No entanto, a realidade é outra.
    Tirando os juízes muito ruins, que já deveriam ter sido “demitidos” do serviço público, a maioria deles está envolvida em tantas atividades “extras”, exercidas fora do local de trabalho, mas realizadas durante o expediente, que nem lê seus processos… quase tudo é delegado a terceiros… muitos sem qualquer competência… é uma verdadeira zona. Consequentemente, milhares de recursos tornam-se necessários em função de falhas ocorridas nas sentenças, encarecendo os processos e tornando a ações lentas e injustas.
    Quem vai controlar tudo isso?
    Não se sabe.

  5. Enquanto isso, os processos no STF dormem zzzzzzzzzzzzzzzzzzz.
    A duração razoável do processo agradece.
    Lindo na teoria zavaski. Na prática é outra história.
    Comparativamente, será que se o ministro deixar de ir um dia útil ao STF para dar palestra fora é igual a um médico que falta ao expediente em hospital público para dar palestra remunerada?

  6. Aproveitando essa “descoberta” dos antagonistas, seria bom verificar por que os ministros do STF não estão nem aí para o aumento do teto e como esse comportamento influencia na proliferação de penduricalhos.

  7. Precisa ver se o patrocinante não é parte com
    casos no foro … Em geral, grandes empresas, todas cheias
    de casos nas cortes. Bancos, etc, etc. Fora esse pessoal, quem pagaria tanto
    para um palestrante ? A UNE ? O Instituto do Gilmar Mendes ?

  8. Isso se chama burocracia de um país bananeiro.
    .
    Num país bananeiro, os legisladores criam órgãos governamentais para fornecer empregos para os amigos e parentes. Esses órgão simplesmente duplicam/revisam/carimbam o trabalho que outros órgãos inferiores fazem.
    .
    No mundo vigora o princípio do “duplo grau de jurisdição”. Duplo grau, duas instância. No Brasil são 4 instâncias. Nada é executado judicialmente até passar pelo último dos 4 órgãos burocráticos, o STF.
    .
    A existência de um longa cadeia burocrática leva a corrupção, porque os processos demoram, e quem espera uma resposta do Estado é estimulado a encontrar o caminho mais fácil, oferecer uma propina, uma vantagem, para agilizar a burocracia. Essa vantagem pode não ser a entrega de dinheiro de forma direta ao magistrado, mas convidá-lo para uma palestra inflacionada ou empregar um parente/amigo do juiz. Criar um relacionamento, que fará a máquina estatal se mexer de forma mais ágil exclusivamente para aquele cidadão mais próximo do poder.
    .
    O sistema de um país bananeiro

  9. A questão é que hj o serviço público (falo de cargos de juiz, promotor, procurador, defensor público) atrai os profissionais mais capacitados do mundo jurídico. E salários de 20 e 30 mil são baixos para a capacidade de gerar valor destes profissionais. É sabido que o governo não pode pagar mais, então permite estas atuações na iniciativa privada. É melhor ter bons profissionais no governo do que ter cabeças de bagre que se contentam só com esses salários.

    1. Tá defendendo um cara que ganha 33 mil reais? Não tá satisfeito, vai pras “bancas” de advocacia, outro sumidouro do dinheiro público! Tem quem aceita ir para o STF ganhando o que ganham!

    2. Os caras ficam tão acostumados de ver o roubo de bilhões e palestras fictícias de corrupto por R$500 mil reais, e juízes iníquos com contra-cheque de R$ 405.000,00 líquidos, que acaba achando que um salário de R$ 33.000,00 é pouco!
      Pergunto ao estulto do Alonso. Quanto ganha 70% dos brasileiros por mês?
      Um salário mínimo, que líquido beira os R$ 800,00 por mês. E olha que trabalham duro, não são esses enganadores, não!
      Só comparsa de corrupto pra defender salário de mais de R$ 30 mil!

  10. Alguém já perguntou quem é que está pagando o giro do orangotango e sua fêmea pelas Oropas? Em toda parte, ele menciona algo ligado a “eleitoral”, “sistema político”. Sinal de que estamos morrendo com a grana toda.

  11. Aprenderam com o chefe. Descobriram que o chefe ficou milionário dando “palestras”, e copiaram o modelito.
    É uma vergonha essas instituições pagarem para esses protetores de bandidos ficarem com esse discurso hipócrita.
    Cortem o salário deles. Cortem o ponto. Trabalhar que é bom em favor do país, nunca!