Quanta coincidência, não?

Defensores do projeto de abuso de autoridade insistem em dizer que o fato de o tema ter voltado à tona justamente na semana dos vazamentos envolvendo a Lava Jato é uma “coincidência”.

Vamos lá.

O projeto, vindo da Câmara, chegou ao Senado em 4 de abril de 2017.

O ATAQUE DO HACKER AO JORNALISMO INDEPENDENTE. Leia aqui

Somente em 14 de dezembro de 2018 foi distribuído, na CCJ, para a primeira relatora, Simone Tebet (MDB).

Em 21 de março deste ano, com Simone já no comando da comissão, o projeto foi redistribuído para o novo relator, Rodrigo Pacheco (DEM).

Pacheco ficou com a matéria, portanto, durante 83 dias.

Até que, na noite da última terça-feira, exatamente dois dias depois dos primeiros vazamentos envolvendo a Lava Jato, o senador recebeu a informação de que o projeto entraria como extrapauta em sessão da CCJ no dia seguinte, por determinação de Davi Alcolumbre, seu correligionário.

“Me apressei a fazer o parecer ontem, já altas horas da noite, diante da informação da inclusão em pauta”, disse ele, no dia da leitura.

Quanta coincidência, não?

Comentários

  • Claudio -

    David Alcolumbre deve explicações a Moisés! Quer phoder outra vez o povo de Israel, só que fora do Egito!

  • Reinaldo -

    Afinal de contas quem comanda a CCJ?

  • Tercia -

    É preciso fazer muito barulho nas ruas para que as ratazanas se recolham novamente.

Ler 67 comentários